Templates da Lua

20090321

Só poesia.



A vida era só poesia.
Se ela renascia toda tarde
sentado no banco
eu era o colorido do preto e branco.

Acordar fazia se uma festa
de sorrir pra todo mundo que me olhasse.
Sentir o cheiro do café
Ainda que deitado, se acordado eu já estiver.

Pensar de novo em ir embora para longe.
Tão nobre o espírito de um monge.
A Desvencilhar - se de tudo em meio às palavras.
De anoitecer me mudo no meio da estrada.

Ao passo que se faz a tranqüilidade serena.
Se for tão absoluta enquanto plena.
Pois sei que bebi toda a Luz da noite
Até fazer o sol nascer dentro de mim.

Afim de maltratar o medo
em suas emoções aborrecidas.
Me esparramar por entre todos esses dias.
Descobrir cada nobre sensação anoitecida

É claro que tem dias
em que pinto todas as paredes de cinza.
Tiro o teto lá de cima
Faço toda nuvem virar fumaça e neblina.

Porque meu navio ainda se orienta pelo mesmo farol.
Tão logo me sento e tomo um chá com algum outro por do sol.
Mas no fim eu me aposento,
se agora eu já entendo. Nunca houve lua para um girassol.


Vinicius Ribeiro.