Templates da Lua

20120216

Loquaz

Alimente se de si mesmo ...



A primeira letra do seu nome próprio ...
Nesse momento eu poderia ser o átomo
Um hiato, uma extensão da sua pele clara

O ferimento em sua carne pálida
Caberia no vazio do caos do mundo
Eu seria você, e seria eu

À nossa própria imagem e semelhança
Luzes refletidas e visões em torno do foco
Gotas de distâncias em mais esta viagem sólida

No movimento de uma estranha lógica peculiar
Se goles sombrios de alegria nas explosões solares
Escondem fatos em superfícies impermeáveis

E às vezes é preciso respirar o ar que vem de dentro
O repensar no pleonasmo do desbotado dia a dia
E verdades convertidas em experimentações cientificas

Trago algo grandioso com pequenos pedaços de tudo
Divididos simetricamente entre quartos escuros
Exóticos sentidos, serão sempre bem vindos

Pode ser que a solidão seja um presente dos deuses
Mas quero você, seus pecados, enganos e perversões
Sensações abstratas de liberdade

Lhe subverter à fantasias e realidades tortas
À caminho do seu corpo exposto à minha fome
e devorar te por vontade própria

Até amanhecer o dia, o meu suor é o que te banha
O orgasmo no interior de suas galerias
A perfurar os seus túneis e paredes rígidas

No deserto da espera me ajoelho e congelo
Subir os muros e ver além das luzes em nossas mentes
Animal assustado e ferido não há porque evitar isso

A cabeça rola à procura do algo novo
O núcleo de cada estrela viva
Sentimento elevado e sublime

Decretou se o fim da vida
Atrás de mascaras e uniformes moralistas
O preto, branco e o cinza do arco íris

Aquilo que existe e não se explica
E que nem os tolos confundam o amor
Pois não faz sentido pular o abismo

O mergulho em águas profundas, quentes e frias
Te acompanho na vida, em absurdos filosóficos,
Você é o rio individual que me leva a oceanos infinitos.



Vinicius Ribeiro.